Lançamento do Livro: “As Máscaras da Grande Deusa” de Cristina Aguiar

Lançamento

AS MÁSCARAS DA GRANDE DEUSA

e Palestra

INTRODUÇÃO À MITOLOGIA
E VISÃO COSMOGÓNICA
DA TRADIÇÃO NÓRDICA

Cristina Aguiar

16 Abril, 17h (Sáb)
Entrada Livre


UM ESTUDO ESOTÉRICO SOBRE AS DEUSAS NÓRDICAS E GERMÂNICAS

O Princípio Feminino contém o mistério de todas as forças criadoras da Terra

As Divindades femininas estão presentes em todos os fenómenos naturais que embelezam as paisagens, gerando intuições poéticas no imaginário do povo primitivo acerca do seu aspecto e atributos físicos.

Neste livro, pioneiro e iniciador, a autora propõe uma viagem metafísica pela essência sobrenatural das Deusas do panteão da Tradição Nórdica e o desvendar da força magnética da Mulher Pagã da Escandinávia e da Germânia.

Os segredos da feminilidade desdobram-se em sucessivos capítulos e em novos rostos, que convergem num ponto único: o despertar da Essência Mágica, outrora apanágio das mulheres nas funções de feiticeiras, mães, amantes e guardiãs.

Aqui reencontra-se o Paraíso Perdido, no qual as mulheres não tinham por que digladiar pela identidade num espaço mágico-religioso, social e económico.

Para mais informações sobre o livro: www.zefiro.pt

Tarde Cultural Mirandesa: Música, Palestra, Poesia e Literatura em Mirandês

Encontro
TARDE CULTURAL MIRANDESA

Música, Palestra,
Poesia e Literatura em Mirandês

17 Abril, 15h (Dom)
Entrada Livre

 

  • Música tradicional mirandesa com gaita-de-foles (José Galvão), caixa (Armando Cangueiro) e bombo (Amadeu Ferreira).
  • Apresentação pública da colecção An Mirandés, com a presença de vários autores já publicados – como Alcina Pires, Bina Cangueiro, Conceição Gonçalves, Faustino Antão e Fonso Roixo – e anúncio de perspectivas futuras da colecção.
  • Poesia e literatura mirandesas, lidas pelos seus autores.
  • Palestra: “Literatura Mirandesa: Passado, Presente e Futuro” por Amadeu Ferreira
  • Palestra: “O Ensino da Língua Mirandesa” por Francisco Domingues

Concerto: Música de Inspiração Celta (Irlandesa, Escocesa e Bretã) pelos Avalon

Concerto

MÚSICA DE INSPIRAÇÃO CELTA
(Irlandesa, Escocesa e Bretã)

Avalon

8 Abril, 21h30 (6ªf) – ESGOTADO
29 Abril, 21h30 (6ªf) ESGOTADO

Lotação Limitada

 

AVALON:
Alexandre Gabriel, Gonçalo do Carmo, Gonçalo Saramago e Marie Beatriz Lúcio

 

Baseando-se no repertório tradicional proveniente da Irlanda, da Escócia e da Bretanha, os Avalon apresentam um concerto de inspiração Celta utilizando instrumentos antigos como a Harpa Céltica, Fídula, Alaúde, Tin e Low Whistle, Bodhran, entre outros, para além da voz.

 

Bilhete: 5 €
Reservas: casadofauno@gmail.com

Curso: “Geomância Ocidental” por Manuel J. Gandra

Curso

GEOMÂNCIA OCIDENTAL

Manuel J. Gandra

30 Abril, 14h30-19h (Sáb)
Inscrições Limitadas

 

A Geomância, literalmente, adivinhação pela terra, é uma arte divinatória aparentada com o Feng-Shui chinês e o Fong-Thuy vietnamita, os quais supõem que o céu, actuando como natura naturans se espelha na paisagem, passando esta, por seu turno, a encarnar-lhe as virtudes e propriedades. O seu objecto consiste na determinação das condições que influem no relacionamento harmonioso do homem com o meio ambiente e, nomeadamente com os génios ou espíritos dos lugares que, além da sua vocação oracular, podem também assumir funções fertilizantes e terapêuticas. Os vestígios desta ancestral tradição da natureza zoomorfa ou animada remontam ao paleolítico.

O interesse generalizado pelos autores clássicos (Plínio, Varrão, Tácito, Plutarco, etc) – que descrevem, inspirados por fontes etruscas, aspectos da vida citadina e, particularmente, tratam o problema da fundação, dos ritos adequados, orientação e organização espacial da cidade, bem assim como o revivalismo vitruviano, cuja tratadística, baseada nos Dez Livros de Arquitectura e na tradição dos gromáticos latinos, sistematizara as operações fundamentais da arte geomântica – contribuiu para a sua recuperação e revalorização teórica a partir do Renascimento.

Bruneto Latino, Leonardo da Vinci, Nicolau de Cusa e Marsílio Ficino referir-se-ão à doutrina da natureza animada, tão expressivamente iconografada nas paisagens de Bruegel, Pieter Huys, Bosch, Mestre de Flémalle, Dieric Bouts, etc.

Será desnecessário encarecer a fortuna dos tesouros mouros ou guardados por mouros, para sublinhar o enorme apreço de que a geomância gozou em Portugal.

Constituem reminiscências da prática geomântica, entre inúmeras outras: as lendas que apresentam animais como guias na eleição do local de fundação de templo ou povoação, a revelação em sonho da localização de relíquias de santos, imagens milagrosas, planta ou projecto para um edifício religioso, a mudança de localização dos alicerces, caboucos e ferramentas dos construtores durante a noite, a mudança de imagens que regressam aos locais onde primeiro haviam estado, o arremesso de objectos cujo local de impacto se torna sagrado, as peregrinações e procissões pelas extremas de um território ou em torno de uma povoação, templo ou paróquia, a reutilização para fins idênticos de locais consagrados por sucessivos grupos humanos, a orientação ritual de edifícios, o afeiçoamento de penedos e colinas conferindo-lhes forma humana ou animal, a protecção de portas e janelas e seu encerramento e abertura auspiciosa, os costumes de tomada de posse e lançamento da primeira pedra.

 

Metodologia

  • Exposição sustentada por fontes documentais e audiovisuais e complementada por exercícios práticos.

 

Síntese programática

  1. Ritos de consagração: aritmosofia do verbo, quadrados e sigilos mágicos.
  2. Arquitectura geomântica: forma, cor e acústica. Amuletos e profiláticos domésticos
  3. Lugares de poder: geomância aplicada ao planeamento urbano.
  4. Geomância divinatória: lançamento de sortes e técnica do vedor.

 

Preço: 30 €
Inscrições: casadofauno@gmail.com (ou tlm: 914 844 923)

Concerto: Teresa Gabriel (Correntes do Uníssono Sagrado)

Concerto

TERESA GABRIEL

Correntes do Uníssono Sagrado

30 Abril, 21h30 (Sáb)
Lotação Limitada

 

O concerto será uma viagem com voz e guitarra numa abordagem subtil, com temas novos e recentes, explorando o universo das afinações alternativas, criando texturas e ambientes muito diferentes dos sons que normalmente ouvimos a partir da guitarra.

Neste concerto a guitarra não será simplesmente um instrumento de acompanhamento para a voz, a guitarra é outra voz, simbolizando a voz do Espírito, harmonizando com as melodias etéreas da voz, que se solta e migra para além das próprias palavras, buscando o uníssono da ressonância entre quem toca e quem escuta, numa prece musical contínua com a intenção da cura e da alquimia.

 

Teresa Gabriel estuda canto, piano e formação musical na Academia de Amadores de Música e estudou canto hindu em Londres com Swati Natekar. Fez formações em canto indiano e búlgaro em Londres, no SOAS, School of Oriental and Asian Studies.

Estuda Ciências e Tecnologias do Som na Universidade Lusófona.

É cantora, guitarrista e compositora profissional há 10 anos e já colaborou com vários projectos folk, electrónicos, celtas, étnicos em Portugal e Inglaterra (ALAP, Terrakota, Ambiens Indages, Jamie Woon, Orchid Star, Taj Mahal, Uasca, Sérgio Walgood), e já compôs para projectos de dança (Amálgama). Também realiza viagens sonoras meditativas com taças tibetanas, didgeridoos, e percussões com Lobsang Dorge, Rodrigo Loureiro, Ruben Branco, Uno viagens sagradas e com os Moksha.

Trata-se de uma sonoridade folk acústica de laivos étnicos e místicos, com influências como Jeff Buckley e Tori Amos,mas também Ravi Shankar, Vozes Búlgaras ou Dead Can Dance. Canta temas com ambiências acústicas, étnicas, hipnóticas e neoclássicas, com letras filosóficas que vão beber inspiração à poesia sufi, ao xamanismo, às viagens, à vida, às mudanças, às transformações e também às dimensões mais interiores e aos sonhos, buscando sempre a redenção e a catarse.

Abriu os concertos de Beth Gibons dos Portishead no Coliseu de Lisboa e Porto em 2003 e passou pelos palcos de vários festivais em Portugal e Inglaterra ( Centro cultural de belém em 2005, Jardim de Inverno no S. Luíz, Colectânea optimus 2001, aula magna 2001, Vilar de Mouros 2001, Sudoeste 2002, BOOM festival 2006 e 2008, Freedom Festival 2007, Andanças 2005 e 2006, The synergy project 2006,2007, Sunrise celebration 2006, Small world solar stage 2008, Secret garden party 2009, Crew Hassan, Bacalhoeiro, Contagiarte, etc…)

Colaborou produzindo e tocando no Projecto Sinergia de 2007 a 2009, eventos de arte e música, aliados à sustentabilidade e consciencialização e educação ambiental.

 

Bilhete: 5 € (poderão aceitar-se entradas no próprio dia se a lotação o permitir)
Reservas: casadofauno@gmail.com

 

http://soundcloud.com/mysticalmoodshttp://www.facebook.com/pages/Teresa-Gabriel/106974616003493

I Encontro da OBOD em Sintra: Beltane – O Fogo de Bel

Encontro

I ENCONTRO DA OBOD EM SINTRA
BELTANE – O Fogo de Bel

Ordem dos Bardos, Ovates e Druidas

1 Maio, 15h-18h (Dom)
LOTAÇÃO ESGOTADA*

(* Caso já nos tenha contacto para estar presente no Domingo, o seu lugar está garantido! Infelizmente não podemos aceitar mais inscrições) 

A Tradição Druídica é antiga e representa uma das fontes de inspiração da Tradição Espiritual do Ocidente. Mas, embora seja antiga, é tão relevante e viva hoje como sempre foi. Todas as espiritualidades crescem e mudam – e o Druidismo também mudou – e vive agora um Renascimento.

O Druidismo tornou-se uma espiritualidade vital e dinâmica baseada na Natureza, que está em florescimento por todo o mundo e que une o nosso amor à Terra com o nosso amor à criatividade e às Artes. E fluindo através de todos estes novos desenvolvimentos emocionantes está o poder de uma tradição antiga – o amor à terra, ao mar e ao céu – o amor à Terra, nossa casa.

«Três velas que iluminam qualquer escuridão:
verdade, natureza e conhecimento.»
Antiga tríade irlandesa

Programa:

  • 16h: Ritual druídico de Beltane: O Fogo de Bel*
    (Caso já tenha começado o Curso de Bardo da OBOD em inglês e queira participar activamente no ritual contacte-nos até à próxima Sexta-feira: obod@obod.com.pt)
  • 17h: Confraternização e lanche*
    (Os encontros druídicos promovem tradicionalmente a partilha de uma refeição em comum. Por esta razão, pedimos que traga alguma comida ou bebida para partilhar com todos os presentes.)

Esta será a primeira actividade pública da OBOD em Portugal e terá lugar na festividade celta de Beltane (1 de Maio), período que simboliza e manifesta a fertilidade, a união da energia masculina e feminina, bem como o redespertar das forças da terra. Etimologicamente, “Beltane” significa Fogo de Bel, sendo Bel uma divindade solar céltica.

Este encontro não se destina apenas a membros da OBOD, mas também a todos aqueles que se interessem pelo Druidismo.

As crianças são bem-vindas, no entanto pedimos aos pais o máximo cuidado para que estas não perturbem o ritual.

Para saber mais acerca da OBOD e do Curso de Bardo em português visite: www.obod.com.pt

Página da OBOD Portugal no Facebook: www.facebook.com/pages/Ordem-dos-Bardos-Ovates-e-Druidas-OBOD/188490404503750?ref=ts

Inscrições: casadofauno@gmail.com

Workshop: Iniciação ao Xamanismo – O Caminho Visionário do Xamã por Gilberto de Lascariz

Curso

INICIAÇÃO AO XAMANISMO:
O CAMINHO VISIONÁRIO DO XAMà

Gilberto de Lascariz

14 e 15 Maio
10h-18h (Sáb)/10h30-18h (Dom)

Inscrições Limitadas


Este é o curso básico para a formação de neo-xamãs com inclinações célticas. A sua ênfase está na jornada visionária ao Mundo dos Espíritos. Os participantes aprenderão a fazer a Viagem aos Três Mundos Suprasensíveis, o Mundo Inferior, Mundo Médio e Mundo Superior, assim como os métodos de dançar, cantar e tocar tambor para provocar uma ruptura da sua consciência racional e utilitária e com o seu Duplo atravessar o Limbo dos Mundos. A ênfase deste workshop será colocada, por isso, em técnicas que favoreçam o transe e a transferência da consciência no duplo ou alma-livre, a essência fenomenológica da viagem xamânica da alma antes do movimento harneriano o ter reduzido a uma extensão superficial da imaginação.

A tradição visionária europeia chamava a estes xamãs de Hedge-Rider, isto é, «Cavalgadores dos Limbos», tratando-se de uma expressão correlata de outras usadas tradicionalmente nos países de origem anglo-saxónica para Hedgewitch, Myrk-Riders e Gandreidh, referindo-se a praticantes de uma forma de xamanismo mágico-religioso onde predomina uma filosofia do Limbo Mágico. A Arte de Cavalgar através dos Limbos tem as suas origens ancestrais europeias nos mitos nórdicos e entre os Benandanti do Friule, Itália.
Não sendo uma lista exaustiva, eis alguns dos temas tratados:

  • 1. A diversidade regional do xamanismo europeu e as suas origens pré-históricas, a sua sobrevivência no xamanismo germânico (Seidr), eslavo do sul (Taltos), corso (Mazzeru) e céltico (Fairy) e o significado das viagens visionárias dos hereges como os Benandanti do Friule e os Taltos húngaros.
  • 2. A questão do uso de enteogénicos no Xamanismo.
    A Gnose-Química das plantas psicadélicas versus a Gnose-Corporal do transe xamânico.
    O Corpo como a Planta Universal Arquetípica.
    As suas poções e venenos.
    Técnicas holotrópicas que fazem activar a química corporal da supra-consciência.
  • 3. A Estrutura Tripla do Cosmo segundo o Xamanismo e suas implicações na cosmologia e praxis xamânica.
    Os Três Reinos da Consciência segundo as tradições célticas e as tradições siberianas.
    A Árvore e o Rio.
    Deuses e Espíritos do Xamanismo Asiático e Céltico-Nórdico: Merlin, Taliesin, Odin.
  • 4. O Corpo e o seu Duplo.
    Os Estados Alterados de Consciência Xamânica e o Mapa da Alma no trabalho xamânico.
    O Significado da Iniciação Xamânica.
  • 5. A Jornada Xamânica a outras dimensões do cosmos pelos processos tradicionais de sobre-estimulação sensorial do tambor, fazendo o seu contacto com Elphame ou Annwn, o Sub-Mundo.
    A descoberta do Fetch, o Espírito Guia Animal e seu Mestre de Poder.
  • 6. Exercícios de transe e desenvolvimento da auto-consciência da Alma-Livre.
    A Prática do “Cavalo de Vento”.
  • 7. Os Ancestrais e o Sub-Mundo de Elphame.
    O Xamã Psicopompo e o Mito Extático da Viagem na Barca dos Mortos e o seu significado operativo no Xamanismo.
  • 8. A técnica da Busca da Canção de Poder e a Dança dos Espíritos.
  • 9. O Paraíso Terrestre, o Mundo Médio de Abred e os Centros Sagrados de Poder.
    As Cerimónias de Alinhamento Xamânico.
  • 10. A recuperação da “Alma Perdida” e a expedição visionária com fins de cura e adivinhação.
  • 11. A Ascensão a Chimeri ou Gwynfyd, o Mundo Superior, assim como o contacto com o Mestre da Sabedoria.
  • 12. O Desmembramento do Xamã.
    A sua prática e finalidade.

Gilberto de Lascariz estudou xamanismo com Paul Uccusic da Foundation for Shamanic Studies e Jonathan Horwitz do Scandinavian Center For Shamanic Studies. Traduziu e prefaciou o livro “Os Xamãs da Sibéria” de Ronald Hutton (1999).

Na Zéfiro, é autor do livro “Ritos e Mistérios Secretos do Wicca”, “Deuses e Rituais Iniciáticos da Antiga Lusitânia” e “Quando o Xamã Voava” (no prelo).

Foi o coordenador da edição de 2009 de “Mandrágora – O Almanaque Pagão: Usos e Costumes Mágicos da Lusitânia” e colaborou nas edição de 2010 e 2011: “Nos Trilhos Mágicos do Xamanismo” e “No Bosque Sagrado dos Druidas”. É mentor desde há muitos anos de vários workshops sobre Xamanismo no Projecto Karnayna.

Nota: Cada estudante deverá trazer, se possível, uma Maraca ou Tambor (de qualquer tipo) para o seu trabalho xamânico. Estes instrumentos podem ser adquiridos em qualquer loja de instrumentos musicais ou de artesanato.

Sugestão de Leitura: Sugere-se a leitura de “Mandrágora – O Almanaque Pagão – 2010: Nos Trilhos Mágicos do Xamanismo”.

Preço: 100 €
Inscrições: casadofauno@gmail.com (ou tlm: 914 844 923)

Almoço: Se o desejar, poderá almoçar no local. O preço de cada refeição vegetariana é de 6 €. Se estiver interessado, mencione-o na altura da inscrição.